Cadastre-se no APdoBanespa - É GRÁTIS - Clique aqui

Não somos ignorantes por acaso
Visite www.apdobanespa.com

Publicado por Luiz Flávio Gomes
“Cinco séculos antes de Cristo viveu Sócrates. Que tinha um amigo. Que resolveu ir ao templo de Apolo em Delfos e perguntar quem era o mais sábio dos gregos. Apolo não pensou duas vezes; era Sócrates. E isso criou um problema descomunal. Pois Sócrates, oleiro de ofício, sabia uma coisa só: que não sabia nada [“Só sei que nada sei”]. Era um ignorante. E um ignorante não pode ser sábio, muito menos o mais sábio. O deus tinha se enganado. Mas o deus não se engana. Por isso é deus. E Sócrates, o ignorante, levou o resto da vida procurando a sabedoria que não tinha, para não o desmentir”.[1]



Vinte e cinco séculos depois, o problema aqui é que nossa ignorância é planejada, programada, incentivada e até comemorada (pelas bandas podres das elites que dominam extrativamente o País). Três quartos da população brasileira são de analfabetos funcionais – não entendem o que lê ou não sabem fazer operações matemáticas mínimas (veja Inaf). Mais de 10 milhões são analfabetos absolutos. Quatro trabalhadores brasileiros são necessários para atingir a mesma produtividade de um norte-americano; quase três para alcançar a produtividade de um sul-coreano; dois para empatar com um chileno, com um russo ou com um argentino.[2]

A causa principal dessa defasagem na mão de obra qualificada é a ignorância do brasileiro, que estuda em média (e porcamente) apenas 7 anos (nos EUA, são de 12 a 13 anos). A escolarização, na sétima economia mundial, ainda está no mesmo nível do Zimbábue (mas aqui não é por acaso nem por falta de dinheiro). A ignorância do brasileiro decorre de uma peste original, que é o extrativismo (suga-se tudo que se pode sem pensar no todo, na nação). As nações extrativistas não contam com instituições econômicas e políticas abertas, inclusivas. Ao contrário, suas instituições são perversas, não inclusivas, extrativas.[3] A reforma política em andamento constitui um nefasto exemplo desse extrativismo.

Só podemos abandonar nossa condição de ignorantes quando buscamos na sabedoria. A sabedoria se conquista pela educação. Platão, discípulo de Sócrates, sabia disso (fundou então a Academia). Aristóteles, pupilo de Platão, criou o Liceu. A educação, para arrebatar a ignorância, é absolutamente indispensável (tanto quanto o pão). Gênero de primeiríssima necessidade. A escola pública de qualidade, em período integral, é o local onde enterramos nossa ignorância (assim como nossa falta de consciência crítica). Sem ela, mesmo com o advento das redes sociais – que normalmente apenas repetem ou incentivam nosso embrutecimento -, continuamos nas trevas, acreditando facilmente em coisas que não existem.

Toda tradição greco-romana-judaico-cristã ensina que a emancipação do humano (reivindicada ardorosamente pelo iluminista Kant) se faz pela educação. Os países e os povos não extrativistas (civilizados ou menos brutos, menos animalescos), desde a Idade Média, criaram suas escolas e Universidades para difundir a sabedoria (e criar uma massa crítica, assim como mão de obra qualificada).

O povo (em geral) que não tem acesso aos bons livros e à tecnologia de ponta, às escolas de qualidade e às Universidades de alto nível, está fadado a viver na ignorância e na miséria. Enquanto o mundo avançado (não extrativista) criava escolas e Universidades para todos, os ambivalentes jesuítas (que lutaram contra a escravidão dos indígenas, facilitando ao mesmo tempo a escravidão negra – os próprios jesuítas, desde o padre Nóbrega, tinham escravos e acreditavam na doutrina de Aristóteles da servidão natural dos povos inferiores)[4] dominaram o ambiente cultural da colonização portuguesa e aqui implantaram uma rígida e conservadora educação, sem livros, sem universidades e sem imprensa. O humanismo renascentista não chegou ao Brasil. Predominou o desejo de perpetuar a ignorância, que condicionou as perspectivas mentais do Brasil [até hoje, pode-se dizer].[5]

No Império foram criadas algumas faculdades (Olinda, São Paulo, RJ). A primeira universidade somente foi criada em 1920, no Rio de Janeiro (hoje UFRJ). Durante mais de 4 séculos proibimos as universidades. As escolas públicas continuam com qualidade deplorável. Os professores são desprestigiados. A produtividade do “Titanic” chamado Brasil hoje se equipara à de 1950. Isso reflete nosso baixo nível educacional, a falta de mão de obra qualificada, a falta de infraestrutura, poucosextrativistas (como o Brasil) a carência de uma educação de qualidade é planejada, desejada e até comemorada pelas bandas podres das elites dominantes (econômicas e políticas), que extraem suas riquezas sem inquietações, sem contestações massivas, sem oposições numerosas com consciência crítica. Por tudo que nossas lideranças extrativistas fizeram até aqui (com a conivência ou passividade do povo ignorante que nem sabe “que nada sabe”), é mais do que previsível o fracasso (presente e futuro) do Brasil nos campos tecnológico, educativo, científico, inovação, econômico, competitivo, esportivo, político, democrático, judicial etc.  

- Visite www.apdobanespa.com

Nº 120591   -    enviada por     Álvaro Pozzetti de Oliveira   -   Bauru/     em   03/06/2015


|   voltar |
Recomende este site a colegas banespianos da ativa, aposentados e pensionistas

Seu Nome:
Seu E-mail:
Nome do seu amigo:
Em caso de vários E-mails, separá-los por vírgulas.
E-mail(s) do(s) seu(s) amigo(s):

.
APdo Banespa - Bancários aposentados - direitos - justiça
Para qualquer contato utilize este e-mail: ----> pozzetti@gmail.com

Atualmente temos 3690 cadastrados no site
Verifique se você está cadastrado(a) no APdoBanespa

Insira seu
Não está?
Então, preencha o formulário abaixo
para cadastrar-se e participar de um seleto grupo de
Banespianos Aposentados, Pensionistas e da Ativa.



Cadastro de Participantes do APdoBanespa


Ex: 00 0000 0000

Ex: São Paulo/SP
<== AAAA-MM-DD
Ex: Maceió/AL
Ex: 1966/1996



               


  | Relação de participantes   | Voltar  |


Comentários para você ver

Atualmente somos 3690 cadastrados no site. - Clique abaixo para se cadastrar!

Cadastre-se no APdoBanespa, o Site dos Banespianos! clique aqui e cadastre-se!

Tô ferrado, Tô ferrado Veja as rimas e/ou clique aqui e envie as suas quadrinhas!


Para participar clique aqui e Cadastre-se

Adicione Apdobanespa aos favoritos

Faça do APdoBanespa a sua página inicial: ---> Clique aqui!

 | Principal  | Notícias Anteriores  | Objetivo  | Participantes  | Ler Dort  |
 | Classificados  | Dicas  | Mensagens Músicas Receitas  | Afabans  | Fotos  |
 | E-mail@APdoBanespa  | Cadastro  |